Mediação Familiar para casais do mesmo sexo

Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos. Fernando Teixeira de Andrade

Esta frase poética mantem-se atual independentemente de quando foi escrita. Porquê?

Porque as sociedades mudaram, as famílias mudaram, os conflitos mudaram.

Na sociedade atual existem múltiplas formas de família: “são as famílias em que existem os meus, os teus e os nossos” (Gameiro, 1998), mas também famílias monoparentais, famílias homossexuais. De notar que a lei nº8/2017 de 3 de março,

Os animais de estimação são considerados pelos seus donos um elemento adicional do agregado familiar. E, se anteriormente, isto poderia parecer uma tolice aos olhos da lei, a verdade é que, graças à Lei n.º 8/2017, publicada a 3 de março, os nossos amigos de quatro patas deixam de ter o estatuto de “coisa” para serem considerados “seres vivos dotados de sensibilidade” (Ordem dos Advogados, 2017)

De acordo com a mesma fonte,

Na hora de dividir os bens com o seu “ex”, não se esqueça de precaver outra questão – quem fica com a “guarda” dos animais de estimação.

O destino destes animais passa a estar previsto no acordo de divórcio. Este acordo, redigido em carta passa, inclusivamente, a ser um requisito obrigatório quando o casal que se separa se dirige a uma conservatória para efetivar o divórcio por mútuo consentimento.

Sobre esta questão, a Lei nº. 8/2017 esclarece que os animais de estimação poderão ser confiados a um ou a ambos os cônjuges (numa espécie de guarda partilhada), sempre tendo presente o bem-estar do animal.

Nestas perspetivas afiguram-se na sociedade moderna uma multiplicidade de conflitos, num conjunto de relações que é preciso preservar. A sociedade moderna respondendo a uma nova tipologia de conflitos desenvolveu uma forma extrajudicial de os resolver – a mediação familiar. A mediação familiar apresenta-se como como uma forma extrajudicial/ complementar de resolução de conflitos na área da família.

Competências da mediação familiar

– Regulação, alteração E incumprimento do exercício das responsabilidades parentais;

– Divórcio E separação de pessoas e bens;

– Conversão da separação de pessoas e bens em divórcio;

– Reconciliação dos cônjuges separados;

– Atribuição E alteração de alimentos, provisórios ou definitivos;

– Privação do direito ao uso dos apelidos do outro cônjuge e autorização do uso dos apelidos do ex-cônjuge;

– Atribuição de casa de morada da família;

– Relações entre irmãos;

– Relações entre pais e filhos.

Quem pode solicitar

A mediação familiar pode ser solicitada ao centro coordenador do Sistema de Mediação Familiar (SMF) por qualquer pessoa interessada e neste caso tem um custo de 50 € para cada uma das partes,[1] independentemente do número de sessões de mediação, ou ser o processo encaminhado pelo Tribunal após o consentimento das partes – não havendo neste caso custas para os utentes.

Onde funciona o SMF e quem é o/a mediador/a

O SMF funciona em todo o território nacional incluindo as regiões autónomas e está organizado por listas territoriais. O /A mediador/a é um /a profissional legalmente habilitado com um curso reconhecido pelo Ministério da Justiça na respetiva área de mediação e que de forma neutra, imparcial conduz o processo de mediação com o objetivo das partes encontrarem elas próprias um solução para o conflito que as opõe. O/A mediador/a não impõe a sua vontade, não decide. Para concorrer ao Sistema Publico de Mediação são necessários requisitos legais postulados na Lei 78/2001 de 13 Julho, (Iª série – A, DR nº 16 .

  • a) Ter mais de 25 anos de idade;
  • b). Estar no pleno gozo dos seus direitos civis e políticos;
  • c) Possuir uma licenciatura adequada;
  • d) Estar habilitado com curso de mediação reconhecido pelo Ministério da Justiça;
  • e) Não ter sofrido condenação nem estar pronunciado por crime doloso;
  • f) Ter domínio da língua portuguesa;

Para os concursos das especialidades no caso concreto da Mediação Familiar, serve esta Lei de referência nos requisitos gerais de admissão, diferindo a na alínea d) em que se especifica a habilitação de curso de mediação familiar reconhecido pelo Ministério da Justiça.

No entanto, e reportando-me á minha experiência em Mediação Familiar ser mediador é muito mais do que as questões legais impostas: É importante que o mediador possua um conjunto de características como: ter uma grande capacidade para suportar as contrariedades; a resistência física dos corredores de maratona; empatia; pensamento multifacetado; autenticidade; inteligência emocional e autocontrolo, presença; neutralidade; intuição; habilidade (capacidades adquiridas); respeito e curiosidade. A esta minha lista acrescento, características referidas por Trinadad Bernal Samper (1995,cit. Farinha & Lavadinho, 1997), a originalidade, o sentido de humor, a imparcialidade e uma atitude conciliadora.

(Rama, 2017, p. 29)

Caraterísticas de mediação familiar

Tal como qualquer serviço a mediação familiar também funciona de forma privada, sendo que cada mediador/a faz a divulgação dos seus serviços e estabelece os seus honorários.

Atualmente a Mediação encontra-se regulada pela Lei n.º 29/2013, de 19 de abril, que estabelece os princípios gerais aplicáveis à mediação realizada em Portugal, independentemente da entidade que realiza a mediação (pública ou privada) ou da matéria em causa na mesma. (DGPJ, s.d.).

Ainda neste website poderá ser consultada uma lista de mediadores de conflitos certificados pelo Ministério da Justiça.[2] No entanto, esta contempla os mediadores de todos os sistemas de mediação e não apenas os mediadores familiares.

De acordo com Rama, 2017: 37-38):

Podemos considerar dois tipos de mediação familiar: global que como o próprio nome indica é aquela que para além dos aspetos relacionados com a Regulação das Responsabilidades Parentais (guarda, pensão de alimentos, convívio), inclui também a Partilha de Bens, Atribuição de Alimentos a cônjuge que deles careça e Atribuição da Casa de Morada de Família, em situações de divórcio ou separação judicial. A mediação parcial incide em conflitos emergentes de Regulação, Incumprimento e Alteração das Responsabilidades Parentais. Da minha experiência na área da mediação familiar a percentagem mais elevada dos processos atribuídos, estão relacionados com a mediação parcial.

São princípios da mediação familiar

– Voluntariedade

As partes são livres de recorrer á mediação familiar assim como de desistir a qualquer momento. Mesmo nos processos encaminhados pelo Tribunal as partes são livres de aceitarem ou não a mediação. Da mesma forma, o mediador pode recusar um processo por razões éticas ou deontológicas.

O termo de consentimento refere que para além das partes poderem desistir do processo de mediação em qualquer momento, o mediador também poderá colocar, termo ao mesmo.

– Flexibilidade

A mediação é ajustada às necessidades das partes envolvidas, dai que o número de sessões e a sua duração seja decidido consensualmente entre as partes e o mediador.

– Informação jurídica e assessoria técnica

O mediador embora possa dar informações jurídicas informa as partes para que durante o processo de mediação, estas recebem assessoria jurídica por profissional legalmente habilitado para o efeito, seja advogado, advogado estagiário ou solicitador. Da mesma forma, que poderão recorrer aos mesmos para redigir ou verificar o texto dos acordos.

Também em qualquer fase do processo podem se acharem conveniente, solicitar a suspensão do mesmo para fazer consultas a profissionais de outras áreas do saber, como médico, psicólogo, ou outro profissional.

As partes participam pessoalmente nas sessões de mediação, mas podem fazer – se acompanhar de advogado, advogado estagiário ou solicitador.

– Confidencialidade

Toda a informação, tanto oral como escrita é confidencial. As partes aceitam que o conteúdo das sessões de mediação seja confidencial e não pode ser objeto de prova em Tribunal caso o conflito transite para esta instância. Também os mediadores não poderão ser citados como testemunhas caso isso venha a acontecer.

Quando estiver em risco a vida ou a integridade física ou psíquica de uma pessoa, a confidencialidade do mediador pode ser quebrada, e o mediador deve entrar em contacto com o profissional que preste ajuda adequada e tomar medidas que sejam necessárias para proteger a criança ou outra pessoa que se julga encontrar em risco. (Parkinson, 2008:27). Esta quebra de confidencialidade está expressa também no Termo de Consentimento da Mediação.

– Neutralidade.

O mediador dirige as sessões num contexto de neutralidade e imparcialidade. O seu objetivo é dirigir e facilitar a comunicação entre as partes de modo a que as próprias encontrem as suas soluções.

– Consensualidade

A finalidade do processo é a obtenção de um acordo que satisfaça os interesses de ambas as partes, um acordo, realista, adequado às necessidades de ambos.

Para além destas características chave, a mediação é um processo mais célere, consequentemente reduz os custos financeiros e emocionais. Reduz a conflitualidade, fomentando os vínculos. Isto não significa que todos os conflitos possam ser resolvidos através da mediação, e mesmo quando esta é uma solução possível, nem todos os conflitos culminam em acordo. A mediação familiar tem limitações e os resultados finais variam, cada processo é um processo único. Se algumas vezes a Mediação Familiar se apresenta como alternativa á via judicial ou como forma complementar há outros que não. Nas situações em que é possível ser uma alternativa ou uma forma complementar, as partes em conflito devem estar informadas das diferenças entre ambos os processos de modo a fazerem uma escolha consciente. (Rama, 2017: 38-39)

Diferenças entre os processos de mediação familiar e o Tribunal

De acordo com (Parkinson, 2008:19, cit Rama, 2017:39) apresenta-se o seguinte quadro:

Fases de um processo de mediação familiar

De acordo com Rama, 2017: 43 um processo de mediação familiar decorre em várias fases

1. Apresentação do mediador e das regras da mediação

O mediador dá as boas vindas, refere o sigilo, o respeito, a igualdade de oportunidades e a responsabilidade dos mediados. Informa que o tempo, o número de sessões, o acordo, são da responsabilidade dos utentes. Informa da possibilidade de consultarem outros profissionais caso assim o entendam e que qualquer das partes pode em qualquer fase da mediação colocar fim ao processo.

2. Os mediados expõem o problema

O mediador deve criar um ambiente propício para os mediados falarem à vontade. È um momento importante para introduzir regras de respeito e de relacionamento.

3. Resumo e ordenamento inicial dos problemas

O mediador decompõe o problema, tentando ampliar os pontos em discussão para que apareçam todos os reais interesses em jogo e ordená-los. Elaboração de uma agenda.

4. A descoberta dos interesses ainda ocultos

Surgem as principais divergências e contradições. O mediador deve fazer perguntas abertas na procura de falarem de si e se afastarem das posições e do conflito objetivo.

5. Gerir ideias para resolver os problemas. Os acordos parciais.

O mediador faz perguntas que levam à reflexão, procurando que as partes raciocinem sobre a forma de chegar a conclusões que considerem a realidade presente e futura e a possibilidade de concretização. O mediador faz o resumo das falas e um ordenamento dos problemas, separa estes das pessoas, evidencia os pontos de concordância.

6.Acordo final

O acordo é redigido numa linguagem clara, objetiva, compreensível para os mediados devendo conter todas as condições e especificações, tal como foram acordadas por eles, para que o seu cumprimento seja também mais certo. Sempre que necessário o acordo deverá ser levado às instâncias competentes para o homologarem.

Paulo Coelho refere “imagine uma nova história para a sua vida e acredite nela”. O papel do mediador e da mediação familiar é que as famílias acreditem e redefinam uma nova história de vida – apenas assim as relações familiares poderão perdurar.

Bibliografia

DGPJ. (s.d.). Obtido de www.dgpj.mj.pt: http://www.dgpj.mj.pt/sections/gral/mediacao-publica

Gameiro, J. (1998). Os meus , os teus e os nossos – novas formas de família. Lisboa: Terramar.

Ordem dos Advogados. (5 de abri de 2017). Obtido de https://portal.oa.pt/comunicacao/imprensa/2017/04/05/animais-de-estimacao-novo-estatuto-juridico-e-novas-regras/

Parkinson, L. (2008). Mediação Familiar. (M. d. Justiça, Ed.) Lisboa: Gabinete Para a Resolução Alternativa de Litigios .

Rama, I. (2017). A mediação familiar em casais do mesmo sexo. Lisboa: Chiado Editora.

República, A. d. (3 de Março de 2017). Lei 8 2017. Obtido de Diário da Republica Electrónico: : https://data.dre.pt/eli/lei/8/2017/03/03/p/dre/pt/html

República, A. d. (13 de Julho 2001).). Lei 78/2001. Obtido em 12 de Março de 2019, de Diário da República Electrónico: https://data.dre.pt/eli/lei/78/2001/07/13/p/dre/pt/html


[1] Poderá haver apoio judiciário para uma ou ambas as partes em situações justificadas.

[2] http://www.dgpj.mj.pt/sections/gral/mediacao-publica/mediacao-anexos/lista-de-mediadores-art/downloadFile/file/LISTAJUL.17.pdf?nocache=1499955504.77


Isabel Rama

-Licenciada em Serviço Social – Instituto Superior de Serviço Social de Coimbra

-Pós graduação em “Desenvolvimento Integrado e Políticas Sociais “ – ISMIT (ex – ISSSC)

– Curso de Mediação Familiar – Instituto Português de Mediação Familiar [1]

– Curso Teórico – Prático em Mediação de Conflitos – IMAP /Jurisolve[2]

– Mestrado em Política Social, ISCSP com tema de dissertação “A mediação familiar em casais do mesmo sexo” de que resultou a obra com o mesmo nome publicada pela Chiado Editora.

– Pós Graduação em Mediação de Conflitos em Contexto Escolar

Atividade Profissional

Formadora com CCP, em várias entidades e com diversos tipos de público alvo: cursos EFA em horário laboral e pós-laboral, sistema aprendizagem,

– Atualmente formadora convidada nos cursos de Mediação Familiar do Instituto Português de Mediação Familiar.

– Ainda no âmbito da formação, ministra em várias entidades uma formação de 24 horas, por si estruturada e direcionada para quem intervém na área social a que chamou “Mediação Familiar – um novo caminho”.

– Mediadora familiar no Sistema de Mediação Familiar –desde 2007

– Mediadora privada inscrita na Lista de Mediadores de Conflitos prevista na alínea e) do nº 1 do art.9º da Lei nº 29/2013 de 19 de Abril, regulamentada pela Portaria 344/2013 d e27 nov..

Oradora convidada em vários eventos – seminários que integram comunicações sobre mediação familiar.

Website

http://isaramamediacao.wix.com/medfamiliarprivada


[1] Reconhecido pelo Ministério da Justiça

[2] Reconhecido pelo Ministério da Justiça

Like this article?

Share on facebook
Share on Facebook
Share on twitter
Share on Twitter
Share on linkedin
Share on Linkdin
Share on pinterest
Share on Pinterest
Nelson Farrim

Nelson Farrim

Nelson de Pina Farrim é o Fundador do Portal de notícias Pois.pt, nasceu em 15 de Julho de 1991. Estudou fisioterapia, mas muito cedo percebeu que o seu caminho passava pelo activismo dos direitos das mulheres e da comunidade LGBT+, o que o levou a criar o portal Pois.pt. É modelo, gosta de jogos de consola e pratica ginásio.

Check More Posts

Leave a comment

Log In

Forgot password?

Forgot password?

Enter your account data and we will send you a link to reset your password.

Your password reset link appears to be invalid or expired.

Log in

Privacy Policy

To use social login you have to agree with the storage and handling of your data by this website. GDPR Política de privacidade

Add to Collection

No Collections

Here you'll find all collections you've created before.