WC para Trans: Toda a Verdade

Uma petição pública com mais de 15 mil subscritores, bem como uma ameaça de processo judicial por parte da Juventude Popular; entre outros artigos de opinião na imprensa contra a chamada “ideologia de género”. O despacho assinado pelos secretários de Estado da Educação e da Cidadania e Igualdade, que define as medidas concretas que visam aplicar nas escolas a lei da identidade de género aprovada em 2018, ficou envolvido em polémica.

A ideologia de género consiste em não ser do sexo a que corresponde a masculinidade ou a feminilidade biológica, mas do género a que cada qual, liberrimamente, decide pertencer.

Um grupo de 86 deputados do PSD e do CDS já tinha feito ao Tribunal Constitucional um pedido de fiscalização sucessiva da lei da identidade de género, especialmente da parte referente à educação, argumentando que a Constituição Portuguesa proíbe o ensino de doutrinas ou ideologias nas escolas — e considerando que o artigo 12.º da lei representava precisamente a inclusão da referida “ideologia de género” no currículo escolar.

O despacho determina que “as escolas devem garantir que a criança ou jovem, no exercício dos seus direitos, aceda às casas de banho e balneários tendo sempre em consideração a sua vontade expressa e assegurando a sua intimidade e singularidade”.

O despacho prevê que “as escolas devem promover a organização de ações de formação dirigidas ao pessoal docente e não docente, em articulação com os Centros de Formação de Associação de Escolas (CFAE), de forma a impulsionar práticas conducentes a alcançar o efetivo respeito pela diversidade de expressão e de identidade de género, que permitam ultrapassar a imposição de estereótipos e comportamentos discriminatórios“.

No site da ILGA Portugal foi possível aceder a 10 notas sobre este tema:

No seguimento da notícia de que 85 deputadas e deputados do PSD e CDS apresentaram esta semana ao Tribunal Constitucional um pedido de fiscalização dos números 1 e 3 do artigo 12º da Lei n.º 38/2018 de 7 de agosto, as Associações ILGA Portugal, Amplos, Casa Qui, APi – Associação Plano i, rede ex aequo e TransMissão: Associação Trans e Não-Binária apresentam as seguintes 10 notas clarificadoras

  1. De acordo com a Constituição da República Portuguesa, a todas as pessoas são reconhecidos os direitos à identidade pessoal, à dignidade da pessoa humana, ao desenvolvimento da personalidade, à capacidade civil, à cidadania e à proteção legal contra quaisquer formas de discriminação;
  2. A Lei n.º 38/2018 de 7 de agosto, que determina o Direito à autodeterminação da identidade de género e expressão de género e à proteção das características sexuais de cada pessoa, foi Promulgada pelo Presidente da República a 31 de julho de 2018;
  3. A Lei n.º 38/2018, de 7 de agosto, veio colmatar lacunas gravíssimas na proteção das pessoas trans, incluindo pessoas adultas e jovens, até então discriminadas pelo facto de a lei não reconhecer o direito à autodeterminação da sua identidade na simples mudança de sexo legal no registo civil, subjugando-as à avaliação de terceiros e a processos que violavam a sua capacidade civil e o seu direito à proteção legal;
  4. A Lei n.º 38/2018, de 7 de agosto veio também proteger as características sexuais de bebés e crianças intersexo, até então subjugadas à mutilação genital à nascença através de práticas medicamente não necessárias que não consideravam o seu direito à proteção da integridade dos seus corpos;
  5. A Lei n.º 38/2018, de 7 de agosto, inclui vários artigos com medidas de proteção que proíbem a discriminação na Saúde e na Educação e Ensino, áreas com legislação escassa e pouco clarificadora em matéria de igualdade e de Direitos Humanos e que, por isso mesmo, também foram reforçadas na Estratégia Nacional para a Igualdade e Não Discriminação 2018-2030 – em particular através do objetivo estratégico 3 do Plano de Ação para o combate à discriminação em razão da orientação sexual, identidade e expressão de género, e características sexuais.
  6. Os deputados e deputadas em causa questionam as seguintes medidas na lei:

a) Medidas de prevenção e de combate contra a discriminação em função da identidade de género, expressão de género e das características sexuais;

b) Mecanismos de deteção e intervenção sobre situações de risco que coloquem em perigo o saudável desenvolvimento de crianças e jovens que manifestem uma identidade de género ou expressão de género que não se identifica com o sexo atribuído à nascença;

c) Condições para uma proteção adequada da identidade de género, expressão de género e das características sexuais, contra todas as formas de exclusão social e violência dentro do contexto escolar, assegurando o respeito

pela autonomia, privacidade e autodeterminação das crianças e jovens que realizem transições sociais de identidade e expressão de género;

d) Formação adequada dirigida a docentes e demais profissionais do sistema educativo no âmbito de questões relacionadas com a problemática da identidade de género, expressão de género e da diversidade das características sexuais de crianças e jovens, tendo em vista a sua inclusão como processo de integração socioeducativa.

  1. Os deputados e deputadas signatários deste pedido de revisão pretendem impedir o combate à discriminação, fechar os olhos ao bullying e à violência escolar – aliás, reportados pelo recente Estudo Nacional Sobre o Ambiente Escolar e o Observatório da Educação LGBT – pretendem ainda limitar o desenvolvimento psicossexual e identitário das e dos cidadãos e travar a garantia dos Direitos Humanos das pessoas LGBTI, continuadamente ameaçados por movimentos que propagam o ódio e o medo e que continuam a empurrar as pessoas para o silêncio e para a invisibilidade;
  2. Estas associações continuarão a trabalhar diariamente para proteger as pessoas trans e intersexo aos níveis legal, social e de saúde – independentemente da sua idade, condição social ou ideologia político-partidária – e a criar pontes de diálogo entre o poder político e a sociedade civil para garantir que Portugal continue a trabalhar ativamente por um desígnio de igualdade que, claramente, se encontra ainda ameaçado;
  3. Lamentamos profundamente a ação destas deputadas e deputados que procuram criar entraves à implementação de medidas governamentais, democraticamente aprovadas por uma maioria parlamentar. Consideramos que as medidas de proteção contidas na Lei n.º 38/2018, de 7 de agosto, são de implementação urgente dada a difícil realidade escolar que muitas crianças e jovens vivem quotidianamente na qual escasseiam tomadas de posição claras, assim como recursos e capacitação de profissionais que facilitem a prossecução da formação para a inclusão, a igualdade e o combate à discriminação. Congratulamo-nos pelo trabalho incansável de tantos concidadãos e concidadãs que nas comunidades escolares procuram ativamente incluir estas alunas e alunos em risco, risco este que se tende a agravar em razão de atitudes como as destas e destes deputados que usam as suas convicções preconceituosas contra o bem-estar desta população infantil e jovem;
  4. As associações abaixo subscritas celebram a aprovação da Lei nº38/2018, de 7 de agosto, e anseiam pela sua aplicação prática que esperam que seja consubstanciada em medidas concretas que tornem a vida escolar menos penosa para as crianças e jovens LGBTI.

As subscritoras:

Associação AMPLOS
Associação Casa Qui
Associação ILGA Portugal
Associação Plano i
Associação rede ex aequo
Associação TransMissão

Like this article?

Share on facebook
Share on Facebook
Share on twitter
Share on Twitter
Share on linkedin
Share on Linkdin
Share on pinterest
Share on Pinterest
Nelson Farrim

Nelson Farrim

Nelson de Pina Farrim é o Fundador do Portal de notícias Pois.pt, nasceu em 15 de Julho de 1991. Estudou fisioterapia, mas muito cedo percebeu que o seu caminho passava pelo activismo dos direitos das mulheres e da comunidade LGBT+, o que o levou a criar o portal Pois.pt. É modelo, gosta de jogos de consola e pratica ginásio.

Check More Posts

Leave a comment