MOTELX este ano começa com Arte

No Cinema São Jorge entre 10 e 15 de Setembro

É à meia-noite com uma descida aos infernos da colecção do Museu Nacional de Arte Antiga que tudo começa na 13.ª edição do MOTELX.

Antes de tomar de assalto o Cinema São Jorge entre 10 e 15 de Setembro, o Festival Internacional de Cinema de Terror de Lisboa arranca em modo Warm-Up a 5 de Setembro com uma visita nocturna inédita às obras mais desconcertantes do MNAA.

Já é também conhecida a programação da secção de curtas internacionais do Festival. 31 desconhecidos encontram-se à meia-noite na penumbra de um vasto museu para explorar arte macabra. Podia ser o princípio de um filme de terror mas é mesmo o início da 13.ª edição do MOTELX, que em parceria com o Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) oferece a 31 participantes uma experiência única na noite de 5 para 6 de Setembro.

Que demónios assombram as Tentações de Santo Antão de Bosch ou o Inferno que um mestre português desconhecido pintou no século XVI? Que forças regem Salomé com a Cabeça de São João Batistade Cranach? “Pesadelo no Museu”irá percorrer algumas das obras mais impactantes da coleção do MNAA à luz da sua relação com o imaginário do terror e do fantástico. Os interessados deverão inscrever-se através do email inscricoes@motelx.org a partir das 9h00 da Sexta-feira, 2 de Agosto. A entrada é gratuita mas restrita a maiores de 18 e só para os primeiros 31 a responder (uma inscrição por email).E se a noite é dos adultos, a parceria MOTELX/MNAA garante também um dia em cheio para os miúdos com “Criaturas à espreita”, uma visita-jogo ao Museu para 13 crianças com idades entre os 6 e os 12 anos(15 de Setembro, 11h30).

Por enquanto, a grande estrela da programação é “Midsommar, O Ritual”, o novo filme de Ari Aster, o realizador do aclamado “Hereditário”, que foi considerado por muitos (incluindo pela NiT) como uma das melhores produções de 2018.

Outras exibições são o caso do remake do clássico “Rabid”, original de David Cronenberg, que agora tem uma versão das irmãs Jen e Sylvia Soska. Há também o filme apocalítico norueguês “O Terramoto”, de John Andreas Andersen; o thriller de horror “The Lodge”, de Veronika FranzSeverin Fiala, os realizadores do conceituado “Goodnight Mommy”; e a primeira história de terror de Fatih Akin“O Bar Luva Dourada”, sobre um serial killer cuja violência chocou o Festival de Cinema de Berlim.

Vai poder assistir a “A Sombra do Pai”, da brasileira Gabriela Amaral. A secção Quarto Perdido, que homenageia projetos clássicos do género, vai ainda exibir “O Construtor de Anjos”, de Luís Noronha da Costa; e “Rasganço”, de Raquel Freire.

Este ano, o festival será especial porque a 13.ª edição do evento vai coincidir com a sexta-feira de 13 de Setembro. Claro que, por isso mesmo, está prevista uma exibição do icónico “Sexta-Feira 13”, de 1980, o primeiro capítulo de uma enorme saga. 

Serão celebrados os 40 anos de “Alien — o 8.º Passageiro”, projeto de Ridley Scott. Vai ser exibida uma cópia restaurada do filme em 4K — além do documentário “Memory: The Origins of Alien”, de Alexandre O. Philippe, que mostra como é que a história ganhou vida em 1979.

Like this article?

Share on facebook
Share on Facebook
Share on twitter
Share on Twitter
Share on linkedin
Share on Linkdin
Share on pinterest
Share on Pinterest
Francisco Lacerda

Francisco Lacerda

Francisco Lacerda é um artista, curador de arte internacional e editor de cultura do Pois. Trabalha para o Pois desde 2018. Já estudou e trabalha em arte, gestão, mercado de arte e gemologia. Francisco Lacerda já realizou entrevistas em representação do Pois, a artistas como: Duane Michals, Edouard Taufenbach, Anthony Lister, Manuel Braun.

Check More Posts

Leave a comment