in , ,

Entrevista a Tiago Braga – Dois a Perder

“ACHO QUE NUNCA SE FEZ NADA ASSIM EM PORTUGAL” TIAGO BRAGA FALA-NOS SOBRE O SEU NOVO SINGLE (FOTOS EXCLUSIVAS)

“Histórias heteronormativas em videoclipes são o pão nosso de cada dia. Se tenho a oportunidade de dar visibilidade a uma história LGBT+, ainda por cima sendo eu assumidamente gay, parece-me ridículo não o fazer.”

Uma semana antes do lançamento do seu novo single “Dois A Perder”, estivemos à conversa com Tiago Braga, um artista pop português assumidamente gay que promete lutar pela representação LGBT+ na indústria da música portuguesa.

Entrevista realizada por Nelson Farrim.

Fotografias de Gonçalo Sabença (@goncalosabenca)

O que nos podes adiantar sobre este novo single?

Que é completamente diferente de tudo aquilo que fiz até agora. Vou inevitavelmente soar arrogante, mas acho que as pessoas não estão mesmo nada à espera do que aí vem. Posso adiantar que é muito mais dark e maturo do que o meu single anterior, o “Ilusão”.

E o título da música? Queres explicar-nos o significado de “Dois A Perder”?

Essencialmente é porque a música fala sobre uma relação tóxica e destrutiva, sobre aquela pessoa que todos nunca vamos esquecer, aquele “ride or die” que já nos fez sofrer desalmadamente e dizer que nunca mais queríamos uma relação outra vez.

Quando este tipo de relações acabam, acho que ambas as pessoas saem sempre a perder. Há sempre uma que perde mais que a outra, da mesma forma que há sempre uma pessoa que ama mais que a outra. Mas no final perdem as duas, porque se destroem uma à outra.

Os teus temas andam sempre muito à volta das decepções amorosas, não é?

Hahaha, são sim! Sou uma bicha sofrida, não tenho problema nenhum em usar esse rótulo. Tenho tendência a escrever sobre aquilo que acontece comigo e que mais me marca.

A relação em que mais amei na vida foi coincidentemente a mais tóxica e destrutiva que tive, mas também a mais importante por tudo aquilo que me ensinou, por muito clichê que isto pareça (e parece imenso, eu sei). Todos nós já estivemos a sofrer por causa de um otário qualquer que nos partiu o coração. Eu aproveitei o meu para criar alguma coisa com valor artístico e transformar o que passei em algo que acho que é bonito e que de certa forma pode ajudar outras pessoas a lidarem com o término das suas relações.

Dificilmente algum dia ficarei tão rico como a Taylor Swift a escrever sobre o meu ex, but a girl can try!

E o videoclipe? Vais continuar a história que começaste no Ilusão?

Eu acho que o que funciona no videoclipe do Ilusão é mesmo o final ficar em aberto. Por isso neste videoclipe quis fazer uma coisa diferente e puramente ficcional, algo que já queria experimentar há muito tempo. Baseei-me num clássico americano, que já foi re-interpretado de mil e uma formas ao longo da história, mas dei-lhe um twist dos tempos modernos. E é claro, fiz uma versão em que os personagens principais são um casal gay em vez de um casal hetero.

Então significa que também vamos ver uma história LGBT+ neste videoclipe?

Claro que sim! Desde que lancei o Ilusão que prometi a mim mesmo que nunca mais voltaria a fazer um videoclipe sem representação LGBT+. Histórias heteronormativas em videoclipes são o pão nosso de cada dia. Se tenho a oportunidade de dar visibilidade a uma história LGBT+, ainda por cima sendo eu assumidamente gay, parece-me ridículo não o fazer.

Aliás, correndo o risco de soar arrogante (outra vez) , acho que nunca se fez nada assim em Portugal, pelo menos não na indústria musical.

E porque achas isso?

Em primeiro lugar, porque não é todos os dias que um artista pop português assumidamente gay lança um videoclipe com uma história gay. Segundo, porque mesmo tendo em conta o que fiz com o videoclipe do “Ilusão”, acho que a história deste videoclipe está um nível acima no que toca à representação LGBT+.

No “Ilusão” as interações entre os personagens eram mensagens, trocas de olhares, conversas, e só mais para o fim do videoclipe é que se vê uns breves segundos de uma cena mais sexy e com mais pele. Neste videoclipe perdi o “medo” e não só vai haver cenas mais sexy e com maior screen time, como vou ser eu a interpretá-las.

Então vais ser tu o ator! E quem é o sortudo que vai contracenar contigo?

É o Nuno Nolasco! Recentemente fez parte do elenco de “Pedro e Inês” e “Self Destructive Boys”. Eu já queria ter trabalhado com ele no videoclipe do “Ilusão”, mas na altura foi difícil conciliar as nossas agendas. Para este videoclipe foi preciso muita ginástica a nível de logística, mas conseguimos fazer as coisas acontecer.

Eu admiro imenso o trabalho do Nuno e acho que o facto de ser um ator que se preocupa em dar visibilidade à representação LGBT+ nos trabalhos que faz com que ele seja a escolha perfeita para este videoclipe.

“Dois A Perder”, o novo single de Tiago Braga estará disponível a 21 de Março em todas as plataformas digitais.

Não se esqueçam de seguir o Tiago nas redes sociais para estarem a par das novidades!

Instagram: @tiagobragamusic

Facebook: @tiagobragamusic

Twitter: @tiagobragamusic

YouTube: @tiagobragamusic

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Loading…

0

Comments

0 comments

Estrela de RIVERDALE Revela a sua Experiência Sexual com um Homem

Casa da Diversidade nasce em Lisboa