De Olhos Bem Abertos. PATTY HORING

FL – Quando começou o teu interesse pela arte e psicologia? Qual o nível de importância para ti, a investigação sobre o íntimo das pessoas ou da pessoa, na sociedade moderna?

PH – Para mim, a psicologia tem estado sempre ligada com a arte. Mesmo quando era mais nova, sempre que eu via retratos de pessoas, ficava sempre curiosa e queria saber a sua história – Mas quem serão? Como vivem, e onde? Porque foi alguém capaz de pintar aquelas pessoas? – como pintora e artista de retratos, o meu interesse é mostrar algo que ficou entre-aberto e criar curiosidade. Ultimamente, tenho a capacidade de captar o sentimento e a essência da pessoa, não só pela sua simplicidade, bem como pela sua expressão facial.

FL – O que pensas de Lucian Freud, Francis Bacon e Sigmund Freud? Eles são uma referência para ti?

PH – Provavelmente eu penso mais sobre Lucian e Bacon, do que Sigmund, mas eu fui educada para que tivesse um forte conhecimento do id-ego-superego e da literatura de Freud, por isso toda a sua teoria esta retida no meu cérebro :). Ao nível artístico, o artistas que me inspiram são Alice Neel, David Hockney, Kerry James Marshall, entre outros. Depois de tantos anos a ver pinturas, eu fico com a imagem gravada na minha mente, e revejo-a vezes sem conta, com novas ideias, que me dá e dão muito prazer. Posso dizer que sou uma sortuda pelo facto de viver em Nova York, onde consigo ver grandes obras de arte muito importantes. Por mais maravilhoso que seja o Instagram, eu prefiro ver as obras de arte ao vivo.

FL – Estas obras são um retrato da realidade, algo encenado ou memórias passadas?

PH – Na maioria dos casos, a minha obra é 60% baseada na realidade e 40% fruto da minha imaginação. Eu trabalho com pessoas reais (na maioria amigos ou família), que me dão o seu tempo e abertura. Normalmente vou a casa da pessoa, tiro fotografias com várias posições e em vários espaços. Ás vezes, já tenho uma ideia pré-concebida, como podemos ver na obra “Joe & Joe”, onde dois homens quase gémeos, se sentam de mãos dadas, formando um casal.

Por vezes, tal como na obra “‘Etruscans”, o tema surge primeiro. Neste caso, a mulher veste o seu robe de seda. O que leva a criar uma pose baseada no Sarcofago degli Sposi.

Mas em ambos os casos, enquanto as semelhanças e a pose permaneceram “reais”, eu reinventei completamente os espaços e as cores. Na minha obra mais recente, intitulada de “Penelope”, a direção foi ainda mais surreal, devido ao facto de que, quando eu estava a sonhar, imaginei um dia em que a “Penelope” estaria há espera do regresso de Odysseus.

FL – Qual é o teu próximo projeto?

PH – Neste momento terminei a minha exposição de nus (‘Underdressed’) na Anna Zorina Gallery em Nova York, há umas semanas atrás, e agora vou começar um projeto novo. Eu tenho várias ideias, mas ainda não me decidi. Para apimentar as coisas, posso revelar que estou a fazer algumas pinturas grandes e rápidas em mylar – um material muito translúcido de papel e plástico. Este projeto tem peças que são retratos de outros artistas, com os quais é muito divertido trabalhar. Até porque muitas vezes são livres e inconscientes … o que ajuda.

pattyhoring.com

Por Francisco Lacerda: Francisco Lacerda é artista, crítico cultural e director criativo do Pois. Escreve para o Pois desde 2018. Escreve também para vários meios de comunicação social e é curador de arte internacional. Estudou em Lisboa e Londres, onde desenvolveu conhecimentos no mundo de arte, gestão e luxo. Francisco Lacerda já realizou entrevistas em representação do Pois, a artistas como: Duane MichalsEdouard TaufenbachAnthony ListerManuel Braun.

Like this article?

Share on facebook
Share on Facebook
Share on twitter
Share on Twitter
Share on linkedin
Share on Linkdin
Share on pinterest
Share on Pinterest
Francisco Lacerda

Francisco Lacerda

Francisco Lacerda é artista, crítico cultural e director criativo do Pois. Escreve para o Pois desde 2018. Escreve também para vários meios de comunicação social e é curador de arte internacional. Estudou em Lisboa e Londres, onde desenvolveu conhecimentos no mundo de arte, gestão e luxo. Francisco Lacerda já realizou entrevistas em representação do Pois, a artistas como: Duane Michals, Edouard Taufenbach, Anthony Lister, Manuel Braun.

Check More Posts

Leave a comment

Log In

Forgot password?

Forgot password?

Enter your account data and we will send you a link to reset your password.

Your password reset link appears to be invalid or expired.

Log in

Privacy Policy

To use social login you have to agree with the storage and handling of your data by this website. GDPR Política de privacidade

Add to Collection

No Collections

Here you'll find all collections you've created before.