Bohemian Rhapsody (Critica)

Um Génio vive para sempre! Passados mais de 20 anos as músicas dos Queen continuam a ser reconhecidas por todos os músicos de todo o mundo. Este é um filme para entender como foi formada a banda, e como sofreu Freddie com a solidão e a doença de SIDA.

O virus HIV é um virus que brevemente terá cura. Mas outras doenças estão a tornar-se cada vez mais resistentes aos tratamentos. Ou outras doenças ligadas aos DST, poderão aparecer. Este filme, bem como outros filmes, por exemplo, KIDS (1995) que voltou a ser transmitido na Cinemateca Portuguesa este verão, têm como objetivo mostrar que o perigo continua a existir, e que o preconceito tem de desaparecer. Até porque, a transmissão do vírus ocorre nas faixas etárias mais novas, e não é um vírus exclusivo dos homossexuais. A vida sexual, bem como a opção sexual, depende de cada um de nós, e a ninguém diz respeito. E isso tem de ser respeitado.

Este filme mostra que o sucesso não traz felicidade. A amizade é um valor que se conquista, e o amor algo raro, e que estamos sempre à procura.

Bohemian Rhapsody é um filme de drama biográfico britânico-estadunidense produzido por Graham King e Robert De Niro, e escrito por Justin Haythe e Anthony McCarten. O filme concentra-se num período de 15 anos, desde a formação da banda britânica de rock Queen, seu vocalista Freddie Mercury até a sua apresentação no Live Aid, em 1985, seis anos antes da morte de Mercury. O elenco principal é formado por Rami Malek, Ben Hardy, Gwilym Lee, Joseph Mazzello, Allen Leech e Lucy Boynton.

Este filme, certamente ganhará um Óscar, muito pela atuação de Rami Malek.

Like this article?

Share on facebook
Share on Facebook
Share on twitter
Share on Twitter
Share on linkedin
Share on Linkdin
Share on pinterest
Share on Pinterest
Francisco Lacerda

Francisco Lacerda

Francisco Lacerda é artista, crítico cultural e director criativo do Pois. Escreve para o Pois desde 2018. Escreve também para vários meios de comunicação social e é curador de arte internacional. Estudou em Lisboa e Londres, onde desenvolveu conhecimentos no mundo de arte, gestão e luxo. Francisco Lacerda já realizou entrevistas em representação do Pois, a artistas como: Duane Michals, Edouard Taufenbach, Anthony Lister, Manuel Braun.

Check More Posts

Leave a comment

Log In

Forgot password?

Forgot password?

Enter your account data and we will send you a link to reset your password.

Your password reset link appears to be invalid or expired.

Log in

Privacy Policy

To use social login you have to agree with the storage and handling of your data by this website. GDPR Política de privacidade

Add to Collection

No Collections

Here you'll find all collections you've created before.